terça-feira, outubro 07, 2008

sobrevivendo

"Deixas-me no peito
marcas que me magoam,
que sangram,
que não saram
e me salpicam profundas.

Assusto-me na tua partida
como um tiro inesperado,
um estampido que estala
e quase me derruba.

Quero erguer-me,
a força vai faltando,
mas nos olhos que abro,
na boca que arfa,
o meu corpo sobrevive
enquanto morro dentro de mim.

Deixas-me cravado de espinhos,
que um a um vou retirando,
lentamente, sem dor,
o sangue já coalhado,
as feridas cicatrizadas. (quase)

Deixas-me quase cair,
trémulo, sem reacção,
mas eu escrevo e sobrevivo" ou tento.......

do "Amor Meu", "Paula Raposo"....

1 Comments:

Blogger Paula Raposo said...

Olá menino plagiador!!! Gostei de me ler aqui...muitos beijinhos.

7/10/08 11:53 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home